Ocidente - Alberte Momán - KindleGarten

Ocidente, de Alberte Momán

Compártelo:
Classificar a obra do Alberte Momán não é facil. Qualquer intençao de etiquetar o estilo literário dele é por necessidade reducionista. Falamos de um autor vanguardista, com certeza uma voz singular na literatura galega actual.

O Momán escrevera em galego normativo (Vattene! e Bosquexos para unha distopía) e castelhano (El legado extraterrestre), e faz-eo agora em galego reintegrado, com um volume que une um romance em duas partes (Não há ninguém perto de si e Diz-me o teu nome) e mais um poemário (Ocidente). O romance partilha elementos narrativos e argumentais comuns coa obra anterior dele, conformando um corpus global.

Ocidente, que não emprega um núcleo argumental forte -uma visão surreal e deformada da viagem do herói-, e cuja estrutura narrativa é uma justaposição de cenas que buscan sempre impactar ao lector, provocar-lhe uma sensação, é um compêndio de todas as obsseções temáticas do autor, que víramos nos seus livros anteriores: o erotismo, a solidão, a sordície dos cenarios, a incomunicação e a incompreenção entre as pessoas, a hostilidade da sociedade moderna e, sempre, uma sexualidade e uma violéncia explícitas como forma de expressão, quase uma declaração de intenciões artísticas, em quanto as duas vão case sempre juntas e são muitas vezes indistinguíveis.

Aliás, e um romance experiencial e surrealista, onde as cenas mostram transições abruptas e inesperadas, e onde a viagem física e interior dos personagems é, em realidade, um proceso de deconstrução de ideias pre-estabelecidas e de lugares-comuns e, como os romances prévios do autor, de renúncia a qualquer género literário definido.

Na linha de El legado extraterrestre, em o romance os personagems principais são os femininos, com un carácter sempre mais forte e decidido do que os masculinos, que aparecem sempre sujeitados às mulheres e definidos por uma personalidade débil, chegando a ser, como o ejemplo do Rocky Bailey, totalmente pusilánimes.

Há em Ocidente um forte componhente simbolista, com uma figura argumental, a Baleia, que não têm uma interpretaçao inequívoca, pero que se mostra como um elemento quimérico para algumas pessoas e ineludível para outras, uma alegoría da sociedade ocidental moderna que engóle-o tudo, da qual não ha fugida, pois é a suma dos convencionalismos, das linhas de pensamento aceitáveis  e dos sistemas repressivos  que conforman a estrutura social dominadora.

Esta metáfora da repressão estende-se às relações entre os personagems, em as que se percebe hostilidade e uma tendência ao isolamento e ao rejeitamento, transmitindo algum dos actores de Ocidente (particularmente os masculinos e especialmente o Alberte) uma forte sensação de perda, de abandono, de futilidade, como se a trama se desenrolar á margem deles.  São relações asimétricas, marcada péla ideia central do submetimento de umas pessoas a outras, também de ums escravos por outros.

Ocidente Alberte Momán

O poemário Ocidente, dedicado -e, em aparência dirigido- à Ana, contêm vinte e quatro poemas marcados temáticamente péla presença ominosa da figura do Home Branco, e por uma visão da sexualidade em termos de domináncia e submissão. Poesia de verso e métrica livres, muito expressiva, que cria imagems sugeridoras.

o Home Branco e a Baleia sao assím dous rostos da mesma metáfora, ocidente entendido como sociedade europocentrista e patriarcal, gerida por tecnócratas, sen espaço para a liberdade, um pensamento único que escraviza às pessoas, esmaga e submete á diferença que supõem as mulheres que protagonizan Ocidente.

O volume cérra-se com um Confessão do autor direcionada à Ana, que resume a intenção dele coa obra, algo que se calhar confirma uma ideia deixada péla lectura, a de que o Alberte Momán expõe no libro dele uma situação persoal, íntima, que Ocidente serve-lhe coma uma declaração sincera, crua, despida, e quizáis o personagem de Alberte seja, de alguma maneira, um elemento auto-ficcional.

Ocidente têm uma estenção maior do que os livros anteriores do autor, mas este mantêm o seu estilo conciso, em o que cada oração está elaborada escolhendo as palavras precisas e não fica lugar para o supérfluo. A medida adequeada para um livro que não convém ler ás pressas para perceber todas as significações que o Alberte Momán encerrou em el.

Ocidente pode-se comprar por 12 euros no site de El Figurante, em Libelista ou contactamdo com o autor.

Compártelo:
Bloguero, escritor y redactor de contenidos. Colaborador de las revistas Windumanoth, HyperSpace y Libros Prohibidos, y del podcast El Sótano de Radio Belgrado. Miembro de la revista Tantrum y del colectivo Inicia Literaria. Autor de Leyendas del Colt con el seudónimo Kenneth James.
Entradas creadas 403

Un pensamiento en “Ocidente, de Alberte Momán

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Comienza escribiendo tu búsqueda y pulsa enter para buscar. Presiona ESC para cancelar.

Volver arriba